Bearded Runner on Instagram

segunda-feira, 9 de maio de 2016

O (meu) MIUT - Madeira Island Ultra Trail 2016

Faz hoje 2 semanas que me sentei no topo do Pico do Areeiro e olhei para os picos que não percorri, para as escadas que não subi e para os trilhos que não me ficaram gravados na memória. No sábado anterior, pelas 16horas e alguns minutos, parava o relógio ainda antes de entrar no carro que me levaria a Curral de Freiras.



Duas semanas se passaram e muito ainda se fala, escreve e lê sobre esta prova que atrai milhares de atletas e outros tantos de acompanhantes. Um prova que cresce ano após ano e que é hoje uma das provas que integra o Ultra Trail World Tour. E é fácil perceber o porquê. Realizada numa ilha, que nos permite atravessá-la e conhecê-la em todo o seu esplendor e com uma organização que não deixa nenhum pormenor ao acaso. As marcações são quase de 5 em 5 metros, os voluntários são altamente prestáveis, os abastecimentos ricos e com condições para que os atletas não se sintam demasiado apertados (pelo menos foi o que senti), uma logística de entrega de dorsal rápida e eficaz e de transporte que deixa qualquer transportadora profissional a léguas. A receita perfeita para uma prova de sonho.



Falar do MIUT é falar de heroísmo. E antes de continuar, tenho de destacar os dois grandes heróis desta edição: Zach Miller, que fez o impensável e completou os 115kms em menos de 14horas, 13h52m para ser mais preciso; e Caroline Chaverot que pulverizou o anterior tempo feminino em mais de 3 horas, terminando em 15h e com um tremendo 8º lugar à geral.
E eu também quis ser um dos heróis que atravessa a ilha desde Porto Moniz até Machico, também eu quis ostentar orgulhosamente o colete finisher. E não havendo uma boa forma de o dizer, talvez a mais 'engraçada' é que trouxe de lá um colete tamanho DNF. Há, no entanto, quem diga que sou herói só pelo simples facto de ter participado na prova, que todos os que arrancam com a intenção de a terminar já são heróis, que os heróis do MIUT são todos aqueles que nele participam. Mas eu não concordo nem um pouco com isto. Herói é aquele que sai de Porto Moniz, que atravessa os picos e vales da ilha e que chega à meta, não necessariamente dentro do seu tempo previsto, mas sempre dentro do tempo limite da prova. Dito isto, eu não me posso considerar herói do MIUT. Eu apenas fiz aquilo que qualquer pessoa que já tenha corrido uma prova acima da distância da maratona pode fazer: inscrever-se e começar a prova.

E a minha prova começou em Outubro, quando me inscrevi nela e percebi que tinha de me preparar bem para o que me esperava. É certo que uma prova como esta não tem preparação possível. Dificilmente alguém que a tenha corrido pode afirmar que está completamente preparado para o que vai enfrentar. Correr em trilhos é sempre uma incógnita e isto aumenta exponencialmente em relação à distância da prova. O que podemos fazer é prepararmo-nos o máximo possível para que consigamos manter corpo e mente dentro do plano que levamos delineados. Ninguém no seu total discernimento mental se propõe a correr o MIUT sem ter um plano para a prova e sem treinar arduamente para minimizar a dor. Porque falar do MIUT é também falar de dor. Dor desde o momento em que sofremos ansiosamente pelo tiro da partida, dor nos primeiros kms em que sentimos as pernas 'perras' e descoordenadas, dor quando subimos os picos, dor quando descemos aos vales, dor quando os kms já se acumulam nas pernas, dor quando um lado da mente nos diz para parar e o outro diz que temos de continuar apesar das dores, e ainda dor nos dias que se seguem ao cruzar da meta. É certo que a alegria de terminar nos vai fazer esquecer todas as dores, mas ela vai sempre existir.

MIUT é dor, alegria e heroísmo.

Eu não fui exceção à regra. Também me preparei o melhor que consegui. Encontrei quem me pudesse dar orientação em todos os aspectos (treino, nutrição, equipamento, plano de ação in loco, etc), e dediquei-me afincadamente. Dedicar-me afincadamente quer dizer que foram muitas horas na serra, com muitos kms e muito desnível percorridos; que troquei manhãs no quente e conforto da cama por manhãs de chuva, frio e dor nos trilhos; que negligenciei quem comigo vive, família e amigos; que foram 6 meses onde tudo girou em volta da prova. E toda esta dedicação deu resultados. Quando no dia 23 de Abril de 2016 esperava ansiosamente pela partida, enquanto revia tudo mentalmente, enquanto me passavam mil coisas pela cabeça, sabia que tinha feito tudo para que conseguisse terminar a prova, tinha estudado todos os xs, ys e zs que iriam surgir, estava consciente de algumas variáveis que pudessem aparecer repentinamente e preparado para elas. Tinha na cabeça a fórmula resolvente para esta imensa equação. Não havia dúvidas, não havia medos, não havia mais nada a não ser o plano e o barulho dos atletas e dos espectadores.

Mas quando cruzei a linha de partida, fui invadido por um estranho silêncio. Via as pessoas a mexer as bocas e a aplaudirem, mas não as ouvia. Dentro da minha cabeça apenas ressoava o som da concentração. O plano traçado consistia em nunca me deixei levar pela tentação de correr demasiado rápido no início da prova, em nunca forçar demais um ritmo que pusesse em risco a continuação na mesma. Apesar do tempo limite no primeiro corte ter sido reduzido em 30', sabia que era exequível se fosse num ritmo calmo mas constante. A primeira subida, a ziguezaguear por Porto Moniz é feita quase toda a andar e a evitar as escadas para conseguir manter uma passada certa. Evitar escadas o máximo que pudesse fazia parte do plano para evitar desgaste das pernas. Ultrapassei e fui ultrapassado. Tivemos um estrangulamento ao km 2 quando o percurso passa por um lance de escadas onde não se consegue ir lado a lado. Andei até começarmos de novo a descer, onde soltei as pernas e pude finalmente apreciar os gritos do público que ali estava, debaixo de chuva, a aplaudir-nos. Ao km5 chegamos à base do primeiro km vertical. Quer dizer, à base do primeiro km e meio vertical. Um subida com cerca de 7kms, com 1487D+ e que nos levaria até ao Fanal. A progressão fazia-se lentamente, não tanto por cansaço, mas porque o terreno estava muito difícil. A chuva que caíra nos dias anteriores tinha deixado os trilhos completamente alagados e enlameados. A chuva miúda que agora teimava em cair só desapareceu quando ficámos acima das nuvens. Para mim foi um alivio, pois a combinação de chuva e do vapor de calor que libertava, eram sinónimos de óculos sempre embaciados. Cheguei ao Fanal (primeiro checkpoint) com 2h57'. Tinham sido quase 3h para percorrer 13kms. Por esta altura já tinha tomado 2 géis e 2 cápsulas de sódio. O plano era tomar uma cápsula e um gel de hora a hora. O abastecimento do Fanal parecia um campo de guerra. Atletas por todo o lado a rodearem as mesas repletas de tudo e mais alguma coisa (já vi casamentos com menos comida) e voluntários e assistentes pessoais a darem-lhes comida e bebida. Fiquei o tempo suficiente para encher os dois bidons de água. 7h30m pode parecer muito para fazer 28kms, mas estamos a falar da Madeira, por isso, o plano era fazer o mínimo de paragens, uma vez que levava nutrição comigo.

Arranquei do Fanal preparado para a primeira grande descida que me levaria a Chão da Ribeira. Uma descida com cerca de 4kms e com 823D-. Ia no meio de um grupo de atletas onde uma coisa era mútua: ninguém queria acelerar ali. A descida era muito técnica e estava muito perigosa devido à lama. Era possível sentir a concentração a flutuar no ar. Os frontais não iluminavam nada mais que o chão imediatamente à nossa frente. Ninguém ousava olhar noutra direção que não para a biqueira dos seus sapatos. De vez em quando ouvia-se um "You ok?", dirigido a alguém que tinha escorregado. Eu também o ouvi. Por duas vezes. Da primeira vez fiquei sentado nuns degraus de terra, da segunda vez quando me tentei equilibrar, sem sucesso, caí de forma esquisita no chão. Foi a partir daqui que o meu destino começou a ficar traçado. Levantei-me e tentei perceber até que ponto aquela dor no joelho iria ficar ou desaparecer. Decidi que tinha era de andar e logo se via. Alguns metros depois, uma atleta à minha frente escorrega e desliza uns dois ou três metros pela lama. Quando se levantou, olhou para o chão e ofendeu-o com todos os nomes feios estrangeiros que ela conhecia. Não percebi nenhum, mas a sua entoação não era simpática. Chego finalmente a Chão da Ribeira e percebo que tenho 3h15' para fazer os 10kms que me separam de Estanquinhos e do primeiro corte horário. Mais uma vez, estamos a falar do MIUT, e de mais um km vertical com 1100D+ em 4kms. Três horas pode parecer muito mas não é. Voltei a encher os bidons e arranquei.

Esta subida até Estanquinhos foi das coisas mais difíceis que já tive de fazer desde que ando nisto dos trilhos. É complicado explicá-la por palavras, mas quem já fez Piódão e subiu a Fórnea, esta é 10 vezes pior. A inclinação é brutal, o terreno massacrante (com a agravante da lama), ninguém consegue falar e só se consegue ver os sapatos de quem vai à nossa frente. Nos momentos em que paramos para respirar ou tirar um gel da mochila e olhamos para cima, vemos pequenas estrelas brancas e vermelhas até onde o pico termina, que mais não são que os frontais de outros atletas. Segui num comboio de 6 ou 7 pessoas a um ritmo lento. Tão lento que comecei a olhar para o relógio e a temer que não conseguisse passar antes do corte. Mas também não era capaz de ultrapassar. Íamos num single track e ultrapassar não só era perigoso como não conseguiria manter o ritmo durante muito tempo. Decidi manter-me com aquele grupo, que apesar de lento ia constante, e acelerar depois da subida. Este, apesar de tudo, era um ritmo confortável para o joelho, que começava a dar sinais quando tinha de dobrar mais a perna. Pelo caminho fomos passando por alguns atletas sentados em pedras e troncos, claramente conscientes que não iram passar do primeiro corte. Mais uma vez subimos até nos encontrarmos no meio das nuvens. Quando ficámos acima delas tive uma das visões mais espetaculares de sempre: um manto branco acinzentado, que lembrava uma cama infindável de algodão, iluminado por uma lua gigante e pela luz do meu frontal. Durante alguns segundos fiquei parado a observar aquela fotografia surreal. Quando a mente voltou para a corrida, corri. Corri em plano, corri a descer, trotei nas subidas, esqueci o desconforto no joelho. Só queria chegar a Estanquinhos antes do corte. Finalmente começo a ver as luzes do abastecimento e sorri ao ver que iria conseguir. Entrei nele com 7h04m. Tinha demorado 7h04m para fazer 27,7kms. Por esta altura já o Zach Miller tinha saído de Curral das Freiras e corria a segunda metade da prova.

Aqui fiz uma paragem maior. Era altura de comer algo mais que gel e beber um recovery. O plano nutricional estava a ser seguido e estava a funcionar bem. Nunca senti fome, nunca senti quebras, nunca senti que as pernas não tinham combustível, e isso deixou-me feliz. Se no Fanal parecia um campo de batalha, aqui já se viam as primeiras vitimas. Muitos eram os atletas que já estavam sentados e não iriam continuar. Era visível nas suas caras a tristeza e a desilusão. O dia estava a começar a nascer e pela primeira vez senti frio. Tinha arrancado só com uma camisola e a t-shit de alças dos Pernas de Gafanhoto, e senti necessidade de vestir o impermeável e as luvas. Quando saí do abastecimento 10-15' depois de ter entrado, sabia que aquele seria o fim para muita gente, mas não tinha sido para mim. Tinha ultrapassado um dos meus maiores receios. Porquê este receio? Façamos as contas: o MIUT tem 115kms e 7000D+; em 27,7kms (menos de 1/4 de prova) temos cerca de 3000D+ (quase metade). o que torna este segmento demolidor e um autêntico cemitério.

A descida de Estanquinhos até Rosário brinda-nos com um km vertical negativo e todo o tipo de trilho possível, desde o estradão, passando por levadas e acabando em escadarias.. No entanto, para quem a fez com o dia a nascer, é também brindado com novo espetáculo natural que envolve nuvens, picos montanhosos, sol e um céu de tons laranja avermelhado. Tirei a única foto durante toda a prova e é a que está a ser usava como header deste blogue.


Seguia confiante até que o joelho me começou a lembrar que existia e que estava ali para me dificultar a coisa. Sempre que tinha de descer uma zona mais técnica, sempre que tinha de dobrar um pouco mais a perna, a dor aparecia. E cada vez mais intensa. Comecei a ficar muito apreensivo. Quando cheguei às escadas percebi que iria ter problemas sérios. Comecei a pôr tudo em causa. Comecei a pensar em todos os esforços que tinha feito e que poderiam ser arruinados por causa de um joelho e de uma dor que nunca em 6 meses de treino tinha sentido. Evitei ao máximo ir pelas escadas, aproveitando, sempre que possível, o terreno inclinado. A chegada a Rosário foi conseguida à custa de muito sofrimento. Enchi os bidões, tomei um gel e segui. Sentia-me a perder muito tempo e ainda estava longe de Curral das Freiras. Pelo meio, ainda tinha de ultrapassar a subida à Encumeada e todos os degraus que lá me levariam.

Se o joelho tinha respondido mal à descida, respondeu ainda pior às escadas. Sempre que o levantava para subir um degrau, parecia que alguém me enfiava uma faca na parte interior e abaixo da rótula. A cada subir de degraus soltava um esgar de dor e um ou outro impropério. Estava numa zona lindíssima, o trilho que nos leva até lá acima tem tanto de infernal como de belo, e eu não estava a conseguir aproveitá-lo. Nem o trilho nem a prova. Foi aqui que pensei que a minha prova estava acabada. No entanto ainda faltavam uma meia dúzia de horas para o próximo corte. Tentei ao máximo abstrair-me da dor, baixei a cabeça e segui. Ao fim do que me pareceu 10000 degraus, cheguei ao topo e tinha agora umas centenas de metros de alcatrão a descer até ao Hotel da Encumeada. Tinha previsto chegar a este posto pelas 10horas da manhã, cheguei lá às 11h04m. Aqui aproveitei para comer umas bananas, umas fatias de bolo, uma sopa, beber um café e novo recovery. Aproveitei para me sentar e descansar um pouco e ir à casa de banho lavar a cara. Tomei também um comprimido para as dores. Afinal de contas estava prestes a entrar no segmento mais longo, cerca de 15kms, e, quando saí do abastecimento, tinha 3h30m para chegar antes das 15h.

A saída da Encumeada reservava-me a passagem por um dos sítios que mais curiosidade tinha em ver: o pipeline. Infelizmente para mim, foi também aqui que tive a certeza que não iria terminar a prova. A "escalada" que ladeava o enorme tubo metálico verde era feita através de degraus em cimento, de tamanho mais ou menos irregular, mas sempre mais altos que a canela, alguns a chegar ao joelho. Subir cada um deles era sentir uma dor enorme que me fazia cerrar os olhos e ranger os dentes. Naqueles 500m de escadas já tinha perdido cerca de 30'. Quando as terminei e entrei nos trilhos onde qualquer pessoa pode andar para conhecer a ilha, o estrago estava totalmente consumado. Qualquer movimento que me obrigasse a dobrar a perna causava-me dor. Decidi tomar um segundo comprimido, mas quando os procurei na mochila percebi que o saco com os comprimidos, o telemóvel e as pilhas de reserva tinham ficado no hotel. Estava demasiado longe para lá voltar e ainda tinha uma réstia de esperança em chegar a Curral de Freiras a tempo de poder continuar. Se o conseguisse, não diria nada sobre a minha lesão e continuava, com todas as consequências que isso poderia trazer. Seguia agora desanimado, dorido, completamente exposto a um sol abrasador que me fazia escorrer suor para os olhar e que foi a desculpa ideal para libertar algumas lágrimas. Não sendo um trilho muito técnico, era uma subida constante, onde eu tentava correr sempre que conseguia. Queria muito, muito chegar a horas, mas para onde quer que olhasse só via um trilho a ladear os picos e sem fim à vista. Quando finalmente terminei aquele troço, entrei na descida para Curral de Freiras. Eram 14h34m e ainda me faltavam 6kms, os primeiros 4 muito técnicos e os últimos 2 pelas ruas e escadas da vila. Ainda tentei esboçar uma corrida, mas não durou mais de 200m. Era o momento de enfrentar a triste verdade: o meu MIUT estava terminado. Durante a descida foi ultrapassado por outro atleta, que me perguntou se estava bem e a quem eu pedi que avisasse a minha família que estava lesionado mas a ir ao encontro deles (João Mata, dorsal 293, se estás a ler isto, obrigado por os teres avisado). Continuei o meu caminho, um passo de cada vez, sofrendo sempre que mexia a perna esquerda, até que fui apanhado pelo segurança/vassoura da prova. Vinha com um grupo de voluntários e que me acompanharam até ao ponto onde me iriam levar de carrinha até ao posto de vida em Curral de Freiras. Foi neste momento que ele me cortou o dorsal, tirando o pedaço do DNF, e oficializou o que eu já sabia. Fiz o resto do caminho sem dizer uma palavra. Quando cheguei, fui recebido pela minha família, que me abraçou, beijou e felicitou com o mesmo entusiasmo que fariam caso tivesse terminado a prova.



Com esta prova e com a lesão que me impediu de a terminar, percebi que só treinar arduamente, ter um plano calculado ao metro, saber quando e de que forma fazer a nutrição e estudar bem o percurso, não é o suficiente. Em todas as provas, e ainda mais numa prova destas, há que ter uma "estrelinha da sorte" ao nosso lado. Ter a sorte de não cair, de não assentar mal um pé, de não comer nada que afete o estômago, que mil e uma coisas que podem acontecer e para as quais podemos não estar preparados não aconteçam. E o que me entristece a sério é que não tive esta "estrelinha" comigo, ou que apenas esteve presente durante os treinos e que me abandonou nos primeiros kms da prova. Eu fiz tudo, tudo conforme o previamente planeado. Cumpri 95% de um plano de treinos ao longo de 6 meses, testei equipamento e nutrição e levei os que melhor me adaptei, subi sempre com uma passada curta e constante, evitei as escadas tanto quanto possível, desci cautelosamente e sem arriscar nada, e, mesmo assim, uma lesão imprevista proveniente de uma queda à partida inocente, impediu-me de cruzar aquela meta e, também eu, ser um dos heróis do MIUT. Não foi este ano, mas a Madeira é, sem dúvida, um livro por concluir.

Como disse, o MIUT é dor, alegria e heroísmo, mas alguns apenas lhe sentem a dor.

18 comentários:

  1. Os imponderáveis numa ultra são imensos. Ensinaram-me isso cedo. Uma prova destas não é como preparar uma outra prova qualquer.
    Também não acho heróis aqueles que se desafiam numa prova destas e se propõem estar na linha de partida. Também não acho o Zach Miller um herói. Acho-o um atleta brilhante.
    Heróis, para mim, são os que treinam afincadamente durante meses, cumprem planos de treino à risca depois de um dia de trabalho, que não estão com os amigos e família nos fins de semana porque vão fazer um longo... E por aí fora.
    Difícil não é fazer uma ultra, é treinar para ela com todas as privações que ela implica.
    Fizeste a tua parte. Ficou a faltar a outra parte. Como dizes ainda tens umas páginas por escrever.
    Boa recuperação!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também ia consciente que alguma coisa, fora daquilo que previ, podia acontecer. Ia preparado para indisposições, para dores, até para neve!, só não ia preparado para não conseguir andar. E mesmo os comprimidos que tomei para amenizar as dores foram insuficientes.
      Sei que trabalhei, e muito, para chegar lá e, com mais ou menos dificuldade, chegar ao fim, mas a ilha pregou-me uma rasteira (quase literalmente) e não me deixou. Se calhar quer que eu lá volte novamente, talvez seja isso. :)
      Mas sim, ainda tenho metade de um livro por escrever e não o vou deixar em branco!
      Obrigado.

      Eliminar
  2. Grande texto. Muito Muito bom. Melhoras rápidas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então imagina o tamanho do texto se tivesse feito a prova toda! :D

      Acho que já estou recuperado a 100%. A ver vamos na próxima prova a sério.

      Obrigado

      Eliminar
  3. Manuel Faria (vassoura), olha como disseste o livro ainda está aberto e por terminar, um dia vais acabar por escrever. Quando cortei o teu dosal senti um silencio. Não foi o fim, foi mais um passo na tua aventura. Continua a trabalhar para um dia poderes levar o teu sonho ao fim.
    Abraço,

    Manuel Faria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuel, se conseguisse correr, tinha fugido da tua tesoura que me vandalizou o dorsal! :D

      Sim, irei voltar à ilha para me vingar dela e recuperar o pedaço de mim que me roubou.

      Abraço e até um dia.

      Eliminar
  4. Eduardo, a Anabela já disse tudo no comentário ali em cima - há sempre situações que não conseguimos controlar. Fizeste o que tinhas que fazer, desta vez não correu como desejavas, mas existe sempre algo de positivo que se pode retirar - fizeste uma catrefada de km pelhos trilhos do MIUT que com certeza foram uma bela de uma aprendizagem que será importante para futuros desafios. E este capitulo Miut é para acabar ... siga pra bingo.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não só fiz uma catrefada de kms por aqueles trilhos como vi cenários que dificilmente esquecerei. Estar acima das nuvens, numa noite iluminada por uma lua gigante, e ver aquele manto branco até onde a luz do frontal iluminava, é quase irreal.
      Aprendi muito com esta prova e com o treino que fiz para ela. Um dia voltarei lá e vencê-la-ei! Ou, pelo menos, farei novamente tudo ao meu alcance para o conseguir.
      E aponta aí na tua agenda uma ida lá. ;)

      Abraço

      Eliminar
  5. MUITO OBRIGADO pela partilha dos teus pensamentos... grande abraço e para o ano volta... estamos á tua espera

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre às ordens. Os kms finais, sozinho, permitiram-me pensar em muita coisa.

      Irei voltar, sem dúvida.

      Abraço

      Eliminar
  6. Também eu, como tu, sonhei com esta prova durante mais de 6 meses. Também eu, como tu, não a concluí. Fiquei no Pico Ruivo com 19h de prova derreado pela falta de preparação motivada por uma fissura no calcanhar descoberta 4 meses antes. Mas também eu, como tu, apesar de desiludido não estou derrotado e para o ano lá estarei para viver uma das melhores provas do mundo sob todos os aspectos. Vi-te na partida junto do Filipe com os quais troquei umas palavras e lembro - me bem do teu olhar vidrado distante e compenetrado. Lembras - te? Um abraço para ti e para o Manuel Faria que acompanhei o ano passado estando ele na altura bastante mal tratado do estômago (eu fazia os 40. Ele os 115). Na vida nem tudo se domina mas a vontade move (moverá) montanhas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro pois. Ainda nos cruzámos em alguns abastecimentos.

      Há coisa que podemos controlar e preparar, outras saem completamente do nosso controlo e - não acreditando no que vou escrever - ficam na mão do destino. Talvez seja mais nas mãos da sorte.

      Acho que sim, que deves voltar e terminar o que ficou por concluir. Esta é daquelas provas que se deve fazer toda, pelo menos, uma vez na vida. Vamos trabalhar para isso e, quem sabe, um dia nos voltemos a encontrar na partida... e depois na meta! :)

      Abraço

      Eliminar
  7. Foi mais uma etapa na aventura do (auto) conhecimento que são as ultras :)Esta não chegou ao fim mas continua a treinar com afinco que a estrelinha da sorte vai passar a acompanhar-te ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tenho aprendido muito sobre mim à conta das ultras.

      Opá, se a estrelinha não quis nada comigo depois de 6 meses de árduo treino, só se treinar ainda mais durante um ano! :D

      Abraço

      Eliminar
  8. Excelente post. Como tudo na vida, foi uma aprendizagem. Com certeza que para a próxima vais voltar ainda mais forte e com uma experiência diferente. Não te deixes é ir abaixo. Olhos no futuro!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando lá voltar, tenho a vantagem de já conhecer a parte que fiz. Isto, se o percurso se mantiver.

      Tenho sempre os olhos no futuro, sempre a olhar para a meta que quero cortar, mas ainda olho, de vez em quando, para trás à conta desta prova.

      Abraço

      Eliminar
  9. Nem reparei que já tinhas escrito a crónica!
    Fico triste de ter tido este final... É sempre o desafio destas provas, sabemos como nos apresentamos à partida mas nunca sabemos como termina.
    Já deves ter passado pela fase da revolta, da tristeza e da resignação. Para o ano, se quiseres, voltas com a aprendizagem do que encontraste e vais ainda mais forte.
    Apesar de tudo, boa crónica! E acredito, uma experiência inesquecível.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Demorei duas semanas a conseguir escrevê-la. E não que começasse e não terminasse, simplesmente não a queria escrever. Até que uma madrugada, já na cama e a pensar em tudo, levantei-me e passei 3 horas a escrevê-la.

      A revolta e resignação já acabaram, a tristeza, por muito que queira, teima em ficar por aqui, apenas mais calma que no início. Quando lá voltar, vou tentar dar-lhe um rumo diferente. :)

      Que esperas para, também tu, vires viver esta experiência, de facto, inesquecível?! :D

      Beijinho

      Eliminar